Cristianismo perseguido
Aluna de 14 anos não concordou em visitar templos muçulmanos e hindus

A escola Henderson High School apresentou aos seus alunos uma oportunidade de conhecerem ao vivo outras religiões. Mas gerou polêmica nacional. Isso ocorreu na cidade de Nashville, capital de um Estado que faz parte do conhecido Cinturão Bíblico, região sulista predominantemente evangélica.

A breve excursão dos alunos durou um dia e os levou para uma mesquita islâmica e um templo hindu. O objetivo era mostrar a eles como pensam as pessoas que seguem essas religiões. Chegando ao Centro Islâmico de Nashville, receberam cópias do Alcorão, ouviram sobre a fé muçulmana e foram ensinados sobre a postura correta durante as orações. Muitos ajoelharam seguindo as instruções.

Depois, foram para o local de adoração dos hindus, onde aprenderam sobre sua infinidade de deuses e tiveram uma rápida aula sobre meditação. De volta à escola, no final da tarde, receberam como tarefa de casa escrever sobre o que aprenderam.

No dia seguinte, a rede de TV FOX News divulgou a história e a polêmica só cresceu. Entrevistado pela emissora, Mike Conner relata que alguns pais ficaram chateados e se perguntaram por que a escola levou os filhos para um tour sobre religiões que ignorou uma igreja cristã e uma sinagoga judaica.  Entre os motivos de indignação estava o material que os alunos levaram para casa.

Um dos folhetos afirma “O profeta do Islã estava preparado para viver em paz com os seguidores de outras religiões monoteístas, especialmente o judaísmo e o cristianismo… Não há como negar que os muçulmanos do Oriente Médio conquistaram terras de africanos, asiáticos e outros povos, mas eles não impuseram sua religião sobre eles. Se compararmos a atitude dos governantes muçulmanos para com as minorias que viviam sob seu domínio e a atitude dos europeus e norte-americanos para com as suas minorias, atrevo-me a dizer que os muçulmanos deram melhor tratamento”.

A filha de Conner, Jessica, 14 anos, disse que não participaria por ser de uma família evangélica e sentir-se desconfortável com a atividade. Ela recebeu uma tarefa de substituição, onde deveria comparar e Islamismo, o Cristianismo e o Hinduísmo.

“Deveria ser uma página sobre as palavras de Jesus, duas sobre as palavras de Gandhi, e cinco sobre Maomé”, protestou o pai da adolescente. Ela não quis completar a tarefa, pois acreditava que era “injusto e desigual” fazer esse tipo de comparação.

“Por causa do excesso de informações sobre Maomé, a falta de informações sobre Mahatma Gandhi e o pequeno espaço para Jesus Cristo, não é possível realizar corretamente uma comparação e contraste entre eles”, escreveu a adolescente na tarefa entregue à professora. Jessica ficou com zero na avaliação.

Os pais procuraram o diretor, mas a escola se recusou a dar Jessica outra tarefa e a mudar a nota. “Eles disseram que estávamos sendo hostis para com o Islã”, lamentou o senhor Conner.  Para ele, a diretoria deveria punir os professores que planejaram a excursão. Em comunicado oficial, disseram que não havia condições de visitar uma igreja e uma sinagoga no mesmo dia.

Este é segunda polêmica no Estado este mês. Em outra escola, uma professora proibiu que a aluna Erin Shead, de 10 anos de idade escrevesse sobre Deus em um trabalho escolar. A mãe da menina ficou inconformada porque a escola não permitiu que Erin dissesse que Deus era seu ídolo. Ao ser obrigada a refazer o trabalho, escolheu falar sobre um ídolo da música: Michael Jackson. Desta vez a professora aprovou. 

Fonte: Gospel Prime com informações de Charisma News e Fox News.