História

Lutero certamente não quis que suas Noventa e Cinco Teses fossem uma chamada para a reforma, pois ele não queria causar uma rachadura na igreja. Ele meramente queria ser fiel às Escrituras. Na verdade, a discussão pública iniciada pela publicação das teses foi meramente a forma típica pelo qual um debate acontecia naquela época. Ainda assim, o conteúdo das teses que Lutero publicou foi bastante controverso. E por causa da recém-descoberta tecnologia da imprensa gráfica e a situação cultural no início dos anos 1500s, as ideias de Lutero foram levadas por toda a Alemanha e abriram caminho para o braço alemão da Reforma.

As Noventa e Cinco Teses foram incentivadas por uma controvérsia na igreja com relação à venda de indulgências. Uma indulgência era uma declaração feita pela igreja que removia ou satisfazia a punição pelo pecado. As indulgências se baseavam no “tesouro de méritos”. De acordo com essa ideia, muitos dos santos da igreja morreram com mais méritos do que precisavam para entrar no céu. Então, o mérito extra foi “estocado”, e o Papa era o distribuidor desses méritos.

“Muitos protestantes estão muito familiarizados com a ênfase de Lutero na justificação pela fé. No entanto, suas Noventa e Cinco Teses falam sobre indulgências, autoridade papal, a autoridade das Escrituras, e o perdão dos pecados.“

As pessoas no período medieval se preocupavam muito com o período da punição no purgatório—uma punição pós-morte enfatizada com muitos detalhes pela igreja. Eles não tinham tanto medo do inferno porque eles criam que o perdão e a bênção dos seus padres iriam garantir a sua entrada no céu. No entanto, as dores do purgatório continuavam sendo uma realidade que eles temiam enfrentar. A igreja ensinava que, antes de eles poderem entrar no céu, eles tinham que ser limpos de todo pecado que cometeram em suas vidas na terra. As indulgências serviam, então, para limpá-los do pecado. A igreja fez da penitência um sacramento, solidificando nas mentes das pessoas que uma indulgência encurtaria seu período de punição pelo qual deveriam passar no purgatório.

O principal adversário de Lutero na controvérsia das indulgências mencionado nas Noventa e Cinco teses foi Johan Tetzel, um vendedor de indulgências contratado por Albrecht, o arcebispo de Mainz. Albrecht concordou em patrocinar a reconstrução da Catedral de São Pedro em Roma, e o Papa concordou em conceder uma indulgência especial que ele poderia vender para que pudesse levantar os fundos necessários.

 

Conteúdo

Muitos protestantes estão muito familiarizados com a ênfase de Lutero na justificação pela fé. No entanto, suas Noventa e Cinco Teses falam sobre indulgências, autoridade papal, a autoridade das Escrituras, e o perdão dos pecados. As Noventa e Cinco Teses de Lutero tinham a principal intenção de facilitar a discussão relacionada com a teologia das indulgências. Após vários séculos de abuso de responsabilidade pastoral na igreja, a prática de venda de indulgências havia se tornado um escândalo.

Lutero viu um grande problema pastoral na venda de indulgências. Isso encorajava as pessoas em seus pecados e desviava suas mentes de Cristo e do perdão de Deus para a compra do perdão. A frustração de Lutero com a igreja foi por causa de sua declaração de que tinham autoridade para controlar o tempo das pessoas no céu ou no inferno ou no purgatório. Enquanto as Noventa e Cinto Teses de Lutero tocavam no assunto da prática diária e iam fundo nas profundezas da estrutura de autoridade que existia na igreja Medieval. A causa formal da Reforma Protestante foi o assunto da justificação e a causa material foi eclesiologia, doutrina da igreja.

“A frustração de Lutero com a igreja foi por causa de sua declaração de que tinham autoridade para controlar o tempo das pessoas no céu ou no inferno ou no purgatório.”

As Noventa e Cinco Teses chamavam a igreja para o arrependimento e encorajavam os líderes do movimento das indulgências a voltarem seus olhos para Cristo, o único que podia pagar o preço devido pelo pecado: “O nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo quis que toda a vida dos fieis fosse penitência.” (Tese 1). Em vez do tesouro de méritos que estava à venda, Lutero protestou: “O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus” (Tese 62).

De todo o documento, a conclusão de Lutero (teses 92-95) talvez seja a parte mais memorável:

“92. Portanto, fora com todos esses profetas que dizem ao povo de Cristo “Paz, paz!” sem que haja paz! 93. Que prosperem todos os profetas que dizem ao povo de Cristo “Cruz! Cruz!” sem que haja cruz! 94. Devem-se exortar os cristãos a que se esforcem por seguir a Cristo, seu cabeça, através das penas, da morte e do inferno. 95. E que confiem entrar no céu antes passando por muitas tribulações do que por meio da confiança da paz.”

Lutero foi ordenado pela igreja a desmentir em 1520 e foi finalmente exilado e declarado criminoso em 1521.

 

Relevância Contemporânea

Uma das melhores formas que as Noventa e Cinco Teses de Lutero nos afetam hoje—somadas com a maravilhosa herança das cinco solas da Reforma—é que elas nos chamam para examinar a fundo as práticas herdadas pela igreja tendo como base o padrão estabelecido nas Escrituras. Lutero viu um abuso, não teve medo de falar sobre ele, e foi exilado como resultado de sua fidelidade à Bíblia no meio de uma oposição cruel.

Fonte: The Resurgence.com

Para saber mais, recomendo assistirem o filme Lutero.

Para ler as 95 Teses e um pouco mais de sua história, clique aqui.