Palestinos fazem manifestação em Ramallah pela adesão à ONU - AP

RIO – O governo israelense ainda mantém esperanças de chegar a um acordo para evitar que os palestinos peçam o reconhecimento pleno de seu Estado na ONU. A um dia da reunião da Assembleia Geral, o embaixador de Israel nas Nações Unidas, Ron Prosor, disse nesta terça-feira que seu país “está pronto para negociar amanhã” com o outro lado. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, deve embarcar para Nova York nesta terça.

Até agora, não há qualquer encontro agendado entre ele e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. Na segunda, Netanyahu anunciou a intenção de se encontrar com Abbas para “restabelecer imediatamente as negociações diretas de paz”. Mais tarde, o palestino disse estar disposto a se reunir com o premier , mas ressaltou que o futuro das negociações depende do reconhecimento israelense das fronteiras anteriores às de 1967.

Segundo o embaixador de Israel na ONU, esforços diplomáticos continuam para evitar medidas unilaterais “que não vão ajudar a paz”. O representante também afirmou que a missão israelense precisa de mais ajuda para o trabalho.

– Nós repetimos que estamos prontos para negociações sem condições, até mesmo amanhã de manhã – disse Prosor, em entrevista à rádio do Exército. – Nós precisamos dar mais recursos e pessoas para aqueles que estão no front diplomático.

Chanceler palestino faz exigências para negociar

O ministro das Relações Exteriores da ANP, Riad al-Malki, respondeu às ofertas de diálogo reafirmando que Israel precisa aceitar a lista de exigências dos palestinos antes que as negociações possam recomeçar.

Netanyahu tem que aceitar todos os termos de referência e parar a atividade nos assentamentos, inclusive em Jerusalém Oriental, para entrar em negociações imediatamente

– Netanyahu tem que aceitar todos os termos de referência e parar a atividade nos assentamentos, inclusive em Jerusalém Oriental, para entrar em negociações imediatamente com um cronograma que não passe de seis meses e garantias internacionais para fazer negociações sérias e críveis – disse Malki, em Nova York, segundo a TV al-Jazeera.

O premier israelense deve se encontrar com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na quarta-feira, pouco depois de uma reunião com o presidente americano, Barack Obama. Na segunda, Ban se reuniu com Abbas. Ele disse que “desempenhará seu papel como secretário-geral da ONU” e insistiu que israelenses e palestinos reabram os diálogos diretos.

A situação da campanha na ONU - Editoria de Arte

Abbas intensifica campanha

É esperado que na sexta-feira o presidente da ANP submeta a proposta a Ban, que a levaria então no mesmo dia ao Conselho de Segurança para votação, onde deve ser vetada. Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – EUA, Rússia, China, Reino Unido e França – estão divididos. Rússia e China apoiam a intenção palestina, enquanto França e Reino Unido devem se abster.

Abbas deve intensificar sua campanha nesta terça, quando tem reuniões agendadas com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o libanês, Michel Suleiman, entre outros.

Os representantes do chamado Quarteto para o Oriente Médio – que reúne EUA, ONU, União Europeia, e Rússia – também vão se encontrar novamente nesta terça em uma tentativa de evitar o enfrentamento e convencer os palestinos a não pedirem o reconhecimento como Estado pleno de direitos.

© 1996 – 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.
Fonte: O Globo