Presidente do Parlamento iraniano não detalha, porém, em que consiste a ajuda
(Atta Kenare/AFP)

O presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani, confirmou nesta quarta-feira que o Irã concede uma ajuda “militar” ao grupo terrorista palestino Hamas, que controla a faixa de Gaza. “Temos orgulho de defender o povo palestino e o Hamas, com ajuda financeira e militar”, declarou, segundo o site do Parlamento Icana.ir. Larijani não detalhou, porém, em que consiste essa ajuda.

Leia também: Ônibus explode em Tel Aviv; Hillary negocia cessar-fogo

Teerã nunca fez mistério sobre sua contribuição material e financeira ao Hamas e à Jihad Islâmica palestina, que lutam contra Israel, mas sempre evitou expor sua ajuda militar. O Irã foi acusado nos últimos dias por Israel de também ter fornecido aos grupos palestinos mísseis Fajr-5, com alcance de 75 quilômetros, usados contra Israel após o início da ofensiva israelense na Faixa de Gaza, em 14 de novembro.

O chefe da Jihad Islâmica, Ramadan Abdullah Challah, reconheceu à emissora Al Jazira na terça-feira que os grupos palestinos de Gaza usavam armas iranianas nos ataques contra Israel, mas não informou o tipo de armamento nem como foram entregues. “Todo mundo sabe. Não é segredo. As armas da resistência palestina, diante da agressão israelense, são essencialmente de origem iraniana: são armas iranianas ou compradas com financiamento iraniano.”

Leia também: Israel está pronto para um ataque ao Irã, diz Netanyahu

O comandante dos Guardiões da Revolução, o general Mohammad Ali Jafari, afirmou nesta quarta-feira à agência Isna que Teerã “fornece ajuda técnica e tecnológica a todos os muçulmanos que lutam contra a arrogância mundial”, expressão consagrada pela retórica oficial iraniana para designar o Ocidente e Israel.

Contudo, o general acrescentou: “Não podemos ajudar atualmente (a resistência palestina) porque Gaza está sitiada”. Jafari afirmou também que os mísseis Fajr-5 lançados de Gaza contra Israel “não foram fornecidos pelo Irã, mas a tecnologia dos mísseis foi”. “Esses mísseis podem ser produzidos rapidamente pelos grupos palestinos.”

Fonte: Veja