O parlamento em Reykjavik está debatendo uma proposta de proibir a venda de cigarros em lojas normais. Cigarros seriam vendidos somente em farmácias e com receita médica

A iniciativa faz parte de um plano de 10 anos, que também visa proibir o fumo em todos os locais públicos, inclusive calçadas e parques, e em carros, onde as crianças estiverem presentes. A Islândia também quer seguir o exemplo da Austrália, forçando os fabricantes de tabaco a vender cigarros em embalagens com as advertências de saúde.

Segundo a lei em discussão, os médicos serão incentivados a ajudar os dependentes largar o vício com tratamentos e programas de educação. Se estes não funcionarem, eles podem prescrever cigarros.

A proposta é patrocinada pelo ex-ministro da Saúde, Siv Fridleifsdottir, num trabalho da Associação Médica da Islândia e com uma coalizão de grupos anti-tabagistas que chegaram à proposta atual. “O objetivo é proteger as crianças e jovens e impedi-los de começar a fumar”, disse na segunda-feira. A proposta pode inicialmente resultar em um aumento nos preços dos cigarros, disse Fridleifsdottir, de “10% por ano, em consonância com as propostas Organização Mundial da Saúde. Evidências mostram que um aumento de 10% resulta em uma redução de 4-8% no consumo”.

A proposta também defende que a nicotina deve ser classificada como uma substância viciante. “É tão difícil de desistir de nicotina como a heroína, não em termos de efeitos colaterais, mas em termos de desejos e na rapidez com que se torna um viciado”, disse Gudnason.

“Nós também queremos que o governo licencie os cigarros como um medicamento, o que significaria que eles teriam que passar por ensaios rigorosos com qualquer outra droga. Duvido que os cigarros entrassem no mercado agora que sabemos os efeitos colaterais – câncer de pulmão, ataques cardíacos, doença pulmonar obstrutiva crônica.”

Gudnason disse que 300 de 1.500 mortes a cada ano na Islândia foram causados por uma destas três doenças.

A proposta também sugere que o fumo do tabaco deve ser tratado como uma substância cancerígena, e que deve ser restringida de uma forma semelhante a outros agentes cancerígenos conhecidos, por causa dos efeitos conhecidos do tabagismo passivo.

A idéia será debatida no Althing, o parlamento da Islândia, no Outono, quando os políticos retornartem do recesso, acrescentou.

Islândia, reduziu pela metade as taxas de tabagismo nos últimos 20 anos. Em 1991, 30% da população fumava, hoje, apenas cerca de 15%, de acordo com Baldursdottir, dando-lhe as menores taxas de tabagismo na Europa.

Este sucesso é atribuído a enormes aumentos em impostos sobre o tabaco, que responde por cerca de 25% do preço de pacote, bem como a queda na renda disponível depois da quebra financeira de 2008.

Outros países foram mais longe. Butão proibido completamente o fumo e a Finlândia espera seguir o mesmo caminho em 2040.

Cirurgiões suecos se recusam a operar pacientes fumantes até que eles desistam de fumar, por causa do efeito do tabagismo no processo de cura, Gudnason acrescentou.

Fonte: The Guardian