Justiça do Rio Grande do Sul mantém absolvição de mulher que apresentou carta psicografada como defesa