TabletesISRAEL.- Mais de 100 tabletes que remontam os tempo do reinado de Nabucodonosor da Babilônia, estão expostas em Jerusalém como testemunho da confiabilidade das Escrituras.

Os tabletes, do tamanho de uma mão, foram descobertos no Iraque e estavam nas mãos de um colecionador de Israel no Reino Unido. Eles oferecem uma visão sobre a vida dos judeus durante o tempo em que viveram no exílio na Babilônia. Os artefatos contêm uma escritura na antiga escrita cuneiforme acadiana e informações detalhadas sobre operações e contratos entre judeus em cerca de 500 aC.

Uma família da Judéia também é mencionada pelo menos por quatro gerações: um homem chamado Samak-Yama, seu filho, neto e cinco filhos. Alguns dos nomes mencionados nas tábuas incluem referências a Yah, o que é o nome de Deus ou Jeová.

Como indicado no Antigo Testamento, o rei Nabucodonosor da Babilônia destruiu o templo de Salomão em Jerusalém e levou muitos judeus ao exílio.

“Mas, depois que nossos pais provocaram à ira o Deus dos céus, ele os entregou nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, o caldeu, o qual destruiu esta casa e transportou o povo para a Babilônia.” Esdras 5:12.

“Ora, na cidadela de Susã havia certo homem judeu, benjamita, chamado Mordecai, filho de Jair, filho de Simei, filho de Quis, que fora transportado de Jerusalém com os exilados que foram deportados com Jeconias, rei de Judá, a quem Nabucodonosor, rei da Babilônia, havia transportado. ” Ester 2: 5 e 6

O livro de Ester descreve a história da jovem Ester, que mais tarde tornou-se a rainha da Pérsia, ou o Irã moderno.

Os historiadores acreditam que o conhecimento dos tabletes antigos, que também mencionam o rio Quebar mencionado em Ezequiel 11, é uma descoberta fascinante.

“Começamos lendo as tábuas e em poucos minutos estávamos absolutamente atordoados,” disse o especialista em Babilônia Filip Vukosavovic a repórteres.

“O material preenche uma lacuna crítica na compreensão do que aconteceu na vida dos judeus na Babilônia mais de 2.500 anos atrás.”

O cineasta e escritor Simcha Jacobovici, escreveu em um artigo para o Huffington Post na semana passada dizendo que os tabletes ressaltam a precisão das Escrituras. “Esta descoberta é uma confirmação notável da confiabilidade histórica do texto bíblico”, disse ele. “É também um lembrete de que muitas pessoas viviam no Iraque.”

Fonte: Fuerza Latina Cristiana