Este artigo é a terceira parte de uma série, retirado do portal The Resurgence.com, traduzida por André Scultori. A primeira está aqui, e a segunda aqui.

O movimento missionário tem sido bom e ruim. De uma forma positiva, vamos nos focar no lado ruim. Quero sugerir três formas de não ser uma igreja missionária. Na continuação dessa série, este artigo examina algumas das deficiências de missões guiadas por ação social.

Missões Guiadas por Ação Social

Essa abordagem é, provavelmente, a que cria a melhor comunhão das três mencionadas nessa série. Uma igreja ativa e com mentalidade social atrai não-cristãos com mentalidade social. Quando o meu City Group limpou cinco apartamentos completamente para algumas mulheres e crianças sem-teto, todos nos aproximamos uns dos outros. Há algo em fazer missões para a comunidade–o suor, as brincadeiras, a empatia, e as memórias–que unem as pessoas. Criar uma memória missional fortalece a comunidade e missões. E também coloca perguntas nas mentes dos não-cristãos que você serviu. Mas, ação social é suficiente?

1. Missões guiadas por ação social não são exclusivas da igreja.

Há muitos não-cristãos engajados em missão social–servindo ao pobre, ao necessidade, ao abusado e ao sem-teto. Eles não precisam de uma igreja para engajarem-se em missão social. Há milhares de organizações sem fins lucrativos que podem fazer isso. O que separa a igreja? Se estamos nos baseando em missão social para ser a contribuição exclusiva da igreja, perderemos o jogo, e mais importante, as almas.

2. Ação social não cria uma nova comunidade.

Embora missão social crie comunidade, não cria uma nova comunidade. Uma nova criação, regenerada, o trabalhonico do Deus Espírito (Tito 2:11; Gl. 6:15) através da fé no Filho (Tito 3:6-7; 2 Cor. 5:17). Se convertemos pessoas à comunidade e à missão social somente, e não à Cristo, oferecemos um evangelho incompleto. Regeneração é tanto social (Mt. 19:28) quanto espiritual 8Tito 3.5). O Espírito, não missão social, faz dos homens novos.

3. Missão social pode levar à uma igreja liberal.

Quando reduzimos missões à ação social, corremos o risco de nos tornamos uma igreja liberal com mentalidade social que negligencia grandes partes da Bíblia que exigem arrependimento e fé em Jesus. Quando comunidades missionárias focam-se somente em missões, elas abrem mão de sua identidade evangelística, dos seus dons e sua responsabilidade como Igreja de Jesus Cristo, o Jesus que morreu e ressuscitou para fazer novas todas as coisas–pessoas e produtos, almas e sociedade.

Essa série tentou identificar algumas das deficiências nas expressões da igreja missional. Quando missões são guiadas por eventos ou evangelismo ou ação social, nos engajamos em uma missão incompleta. Quando nos engajamos em uma missão incompleta, oferecemos um evangelho incompleto para nossos vizinhos, bairros, cidades e o mundo.

Para ver os outros artigos dessa série, clique aqui abaixo:

  1. Missões Guiadas por Eventos
  2. Missões Guiadas por Evangelismo
  3. Missões Guiadas por Ação Social