Natal

Nesta época do ano sempre surgem discussões no meio cristão sobre celebrar ou não o Natal. Alguns até colocam no Facebook ou Twitter “Essa pessoa não te desejará Feliz Natal”. Então, resolvi dar a minha opinião sobre esse assunto.

 

1) “Jesus não nasceu em 25 de dezembro”

Corretíssimo. Se calcularmos as profecias bíblicas, Jesus deve ter nascido por volta de agosto/setembro (esses cálculos são feitos baseados nos turnos das famílias sacerdotais).

Mas faça-se essa pergunta: Quantas vezes você comemorou o teu aniversário fora da data correta?

Às vezes por questão de agenda mudamos a data da festa, para que tenhamos mais convidados presentes, principalmente se nosso aniversário cai numa quarta-feira, quando todos trabalham ou vão para a escola/faculdade. Ontem mesmo (23) comemoramos o aniversário da nossa igreja, Ministério Terra Santa, sendo que a data correta é 19 de dezembro. Tivemos que adiar por causa do Ativa Brasil, já que os pastores participaram do encerramento, em São Paulo.

Além disso, há muita gente que não sabe a data em que nasceu, por viver em comunidades humildes, ou até devido à sua cultura–muitos índios não tem ideia da sua idade, já que não contam os anos.

Ou seja: se o mundo inteiro comemora o nascimento de Jesus no dia 25 de dezembro, por que eu não faria o mesmo? Afinal, o nascimento da pessoa mais sensacional que já andou na face da terra deveria ser comemorado todos os dias! Para os cristãos, Natal deveria ser todo dia. 25 de dezembro é só uma festa maior, com convidados ateus, católicos, macumbeiros, e de tantas outras religiões.

2) “A Bíblia não fala para comemorarmos o nascimento de Jesus, mas sim a sua morte (Ceia)”

Corretíssimo, mais uma vez. 1 Coríntios 11:26 diz assim:

“Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha.”

A Ceia é um mandamento do Senhor, que existirá até a volta de Cristo, ao contrário da Páscoa, que é um estatuto perpétuo  (Êx. 12:14).

No entanto, onde diz na Palavra que devemos comemorar o nossoaniversário? Ou aniversário de casamento, dia do trabalho, dia das crianças, dia dos namorados ou dia do médico? Nenhum dessas festas ou feriados está na Bíblia, e muitos deles são muito menos “religiosos” do que o Natal. Se é pra comemorarmos só o que está na Bíblia, então nada de mandar flores e bombons para a amada dia 12 de junho, ou fazer uma festa surpresa no aniversário do filho.

Nós comemoramos tantas coisas ao longo do ano–por que não comemorar o nascimento de Jesus?!

3) “É uma festa pagã, que começou com coisas do mundo.”

Certo. Assim como o teatro e o cinema, que tiveram suas origens no culto aos deus Dionísio, que exigia uma “peça teatral”, ou “entretenimento” para se manifestar. Assim como a educação usada hoje em nossas escolas que teve suas origens na cultura grega antiga, saturada de adoração a outros deuses (demônios).

Com relação à coisas do mundo temos 3 opções: Receber, Rejeitar ou Redimir.

O carnaval, nós rejeitamos.

A educação escolar nós recebemos.

O Natal, e outras festas, nós redimimos.

Como falei lá em cima, o nascimento de Jesus deveria ser comemoradotodos os dias. O nome dele será Emanuel, que significa “Deus conosco”! O nascimento de Jesus é a comunhão de Deus com o homem! Nunca na história da humanidade, Deus esteve tão próximo do homem (exceto no Jardim do Éden)–Ele se tornou como um de nós com um único objetivo: abrir um caminho para que tenhamos comunhão eterna com o Pai. É impossível não comemorar o nascimento de Jesus.

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto.” (Isaías 9:6-7)

Feliz Natal!

Fonte: Pr. André Mendes Scultori